terça-feira, 23 de fevereiro de 2010

É pecado?

* * *

Nota de abertura:

Tenho percebido que muitas das perguntas que chegam a mim através do Formspring (http://forsmspring.me/allenporto) são do tipo "é pecado fazer isso?", "é pecado fazer aquilo?", "o crente pode fazer tal coisa?", etc., etc.

Preocupado com o que isso indica, escrevi as linhas abaixo. Retenham o que é bom. Ao texto:


* * *
A pergunta preferida do crente preguiçoso é: "é pecado?". Explico: o crente preguiçoso é o sujeito que não quer ter o trabalho de pensar a sua existência a partir da Escritura. Não exercita a mente, e assim fica dependendo das frases de efeito de uns e outros.

A maior debilidade está no fato de que a sua conduta não é pautada por princípios bíblicos. Ele não dedica tempo a pensar sobre a aplicação dos conceitos gerais da Escritura no seu cotidiano. Em vez de extrair força e sabedoria da Palavra de Deus, vive perguntando a todos se determinado ponto é pecado ou não.

Se disserem que é pecado, então ele não faz - ou diz que não faz. Se não disserem, ele continua a praticar numa boa.

A sua consciência é inflável. Alguém precisa ficar soprando, senão ela murcha. Por isso, tais pessoas não possuem um padrão adequado de conduta - tudo o que têm é uma lista do que podem e do que não podem fazer.

Cada situação diferente gera uma nova crise, ou uma nova oportunidade de pecar. Por não fazerem o link da verdade bíblica com o todo de sua vida, sempre que se deparam com um evento não listado no seu registro, ficam perdidos.

Além dessas tristes marcas, o resultado de tal mentalidade são consciências moribundas. Os preguiçosos-da-vida-cristã são pessoas sem as grandes doutrinas da fé cristã firmadas em seu coração. Todo o seu jogo religioso está espalhado, sem conexões e implicações. A consciência é terminal, pois não possui uma estrutura unificadora que dê a este indivíduo coerência e sentido. Por sua dependência das afirmações alheias, ele permanece de pé ou cai conforme o seu guru mais próximo.

Quando a pergunta fundamental da sua existência é: "isso é pecado ou não?", talvez você tenha perdido o foco sobre uma vida que glorifica a Deus. O cristão saudável não deixa de praticar apenas aquilo que é pecado, mas tudo o que não honra a Deus.

Não fica a procurar listas do que pode e não pode fazer, mas observa da Palavra de Deus os princípios a serem aplicados em todas as situações de sua vida, vivendo com sabedoria, honestidade, amor, humildade, etc., etc. Entende, ou busca entender as implicações e desdobramentos das doutrinas cristãs para a sua vida. Possui um coração centrado em Deus, e não em si.

O cristão bíblico não se entrega ao legalismo das fórmulas, mas aplica a mentalidade cristão à sua maneira de viver - experimenta uma vida a partir da cosmovisão cristã.

2 comentários:

Norma disse...

Oi, Allen!

Por isso é tão importante o trabalho formativo que fazemos em nossos blogs, a partir de nosso suado empreendimento rumo a uma cosmovisão cristã cada vez mais abrangente.

Que os preguiçosos aproveitem os frutos desse trabalho e comecem a pensar por conta própria!

Adorei o post! Abraços!

Allen Porto disse...

Pois é, Norma, plantemos a semente e deixemos que o Soberano Agricultor faça a coisa crescer, para a Sua glória!