domingo, 21 de novembro de 2010

Comentário ao texto da Bárbara Gancia

A jornalista Bárbara Gancia publicou um texto ontem na Folha de São Paulo, no qual falou sobre a polêmica Mackenzie-Homossexualismo. O texto foi mais direcionado ao Dr. Augustus Nicodemus Lopes, mas demonstrou concepções gerais a respeito do Cristianismo e da homossexualidade.


O Marcelo Tas republicou em seu blog. Tentei comentar por lá, mas nada feito - uma mensagem de erro era continuamente demonstrada. Então decidi parar de tentar comentar lá e publicar meu comentário aqui. Talvez eles nunca leiam, mas o meu alvo principal são outras pessoas que podem ler o texto e serem enganadas. Assim, acho que faço bem em publicar o comentário aqui.


Recomendo que você leia o texto antes de ler o comentário. Para isso, clique aqui.


Enfim, ao comentário:



O texto é cheio de vícios e apresenta fraca argumentação. Ao contrário do que o Tas afirma, subestima os leitores, trata alguém com desrespeito - porque não se presta apenas a discordar, mas a ironizar - e supõe serem os cristãos um bando de "criadores de caso".

O fato de o Tas indicá-lo apenas mostra como o politicamente incorreto atinge até quem tenta fugir dele.

Colocar em um mesmo nível a preferência de cor, e o ato moral de um relacionamento amoroso é tão pueril que eu me sinto envergonhado de ter que apontar essa bobagem aqui.

A autora pressupõe, ou melhor afirma claramente, que os evangélicos, ou o Mackenzie e o Dr Nicodemus, no caso, estão pregando contra os homossexuais, e não contra o homossexualismo. Certamente há uma relação entre ambos, mas rejeitar o homossexualismo não significa odiar o homossexual. Não sei se a Bárbara leu o manifesto realmente, ou se apenas teve dificuldades de interpretá-lo.

A Gancia pressupõe que os homossexuais "nasceram gostando de brócolis", ou de pessoas do mesmo sexo. Tal afirmação, num chute desmedido, soa como um recurso último do desespero pró-gay. A idéia é parar de tratar a homossexualidade como comportamento, e passar a considerá-la uma condição. Mas onde ela fundamenta que alguém nasce homossexual? Apenas em sua sapiência - a mesma que a fez interpretar o manifesto da Igreja Presbiteriana e do Mackenzie errado. Ela simplesmente não conseguirá o ponto. Ninguém nasce homossexual. Escolhas são feitas para que isso aconteça.

Por fim, a autora passa a soltar abobrinhas, na convicção de que o projeto dos cristãos - ou de uma parte deles - é "discriminar alguém". Então, segundo ela, é hora de encontrar uma nova vítima. Mas essa atitude dela não é discriminatória? hum... acho que ela não passaria no próprio teste. Quem afirma ser esse o propósito do Cristianismo, nada sabe sobre Jesus.

Discordar e apresentar a verdade nada tem a ver com perseguição. Mas o que a sra Bárbara Gancia, a que acabou de perseguir cristãos e falar mentiras, sabe sobre a verdade e o amor?

12 comentários:

Heitor Alves disse...

Allen,

Sua réplica acertou em cheio ao comentário da jornalista da Folha de SP.

Achei que sua resposta deveria ter uma ampla divulgação e para tal republiquei sua postagem no Blog dos Eleitos, ok?

Continuemos nessa batalha em busca da nossa liberdade de expressão em defesa do Mackenzie e do Rev. Augustus Nicodemus.

Abraços.

Jorge Fernandes Isah disse...

Allen,

o primarismo do texto da Garcia é de dar dó! Como, na verdade, eles não têm argumentos, levam tudo para o campo da homofobia, uma idealização tola de algo que não existe, ao menos não existe na igreja. Se evangelizamos assassinos, corruptos, mentirosos, ladrões, pedófilos e tantos outros criminosos, por que ter medo de homossexuais?

Bem, vai aparecer alguém e dizer que estou tratando o homossexualismo como crime. Mas ele é realmente um crime, um crime contra a Lei de Deus, assim como é o adultério, a bebedice, a glutonaria, a mentira, a inveja, etc. O pecado é um crime, e todo crime cometido torna o seu autor em criminoso e réu.

À parte dessa discussão, eles querem o esvaziamento do debate, ao ponto em que ser homossexual, mais do que ser político, religioso, cidadão ou qualquer outra coisa criticável, é indiscutivelmente incriticável. Se discute-se Deus, os governantes, os poderes, as igrejas, por que se deve tratar a pederastia como algo incontestável? Mas exatamente por isso é que desejam criar uma casta privilegiada, onde o seu comportamento seja sustentado por lei, visto não haver base que a sustente como verdade, não passando de um engodo, de um factóide.

Outro problema é quando comparam a cor, a raça, a origem, a nacionalidade da pessoa com homossexualismo. Ora, a analogia que fazem é uma falácia infantil, com o intuito desonesto de nos colocar como racistas e xenófobos. Porque tanto raça, como cor, como condição social, etc, não são opções da pessoa, ela simplesmente nasce assim. Não dá para escolher a cor, nem onde se nasce. Mas o homossexualismo é uma escolha que vai contra as duas opções naturais: o ser macho e femea. Daqui a pouco vão querer tornar normal o sexo com animais, e ninguém poderá falar nada. Daqui a pouco, e não está longe, crianças e bebês serão objetos de desejos perversos, e ninguém poderá dizer nada. Daqui a pouco, coabitar com genitores e filhos será apenas mais uma diversão, mais uma forma de prazer.

O mundo caminha para uma degradação progressiva, e se ficarmos calados agora, se mantermo-nos omissos, será possível lutar por nossa fé, mas com um alto preço. O que talvez não seja mal, para separar a verdadeira da falsa igreja.

Como escrevi no facebook, o homossexualismo não é exceção, mas a regra entre tantos outros pecados. Nós é que somos exceção, aqueles que foram lavados no sangue de Cristo, e resgatados por ele.

Abraços, e parabéns pelo comentário.

Cristo o abençoe!
PS: Deixei o mesmo comentário no blog dos Eleitos.

Allen Porto disse...

Heitor,

Fique à vontade para publicar em outros cantos.

Obrigado pelas palavas.

Abraço

Allen Porto disse...

Jorge "Kálamos",

Obrigado. Sua análise também é bastante perspicaz.

Não falar nada agora seria abrir espaço para um progresso desmedido da anuência estatal ao pecado.

Abraço

matheusme disse...

HAhauahuah.

Portanto, devemos prender também quem critica os vegetarianos "comedores de brócolis", os emo-cores, quem xinga o Santos e o Corinthians. Afinal, quanta violência envolvendo tribos adolescentes e futebol! Não é?

Santa hipocrisia.

Abraço, Allen.

Guilherme de Carvalho disse...

Oi Allen,

postei uma coisa lá no Blog do Tas, em apoio a vc. Tô colocando aqui para informação:

*************

Caros,

preciso dizer algo com toda a honestidade. Há aqui uma evidente dissonância cognitiva. A rejeição do homossexualismo faz sentido no contexto mais amplo da fé cristã. É compreensível que não faça nenhum sentido dentro de outro sistema de crenças, mas tratar a questão pontualmente, como mera peça isolada de preconceito ou de intolerância não é somente ingenuidade; é falta de sensibilidade cultural e até de sensibilidade crítica.

É assim: muitos cristãos acham que os LGBT são maus e ignorantes. De certa forma, o post acima trata a questão no mesmo nível: posições como a do Nicodemus são pura e simplesmente evidências de ignorância e maldade. Gente, pensem um pouco. Isso é ridículo.

A pergunta que os defensores do homossexualismo precisam fazer é a seguinte: "porque, afinal de contas, a normatividade da heterossexualidade faz tanto sentido e é tão importante para cristãos?" É a mesma pergunta que alguns de nós, cristãos, temos feito: "porque, afinal de contas, a naturalização da homossexualidade é tão importante para a sociedade contemporânea?"

Sem uma conversa realmente séria a respeito, continuaremos a ter apenas manifestações como a deste blog: ataques retóricos sem nenhum conteúdo significativo, que nada esclarecem, a não ser o estado de espírito dos envolvidos.

Teóphilo disse...

Odeio a aparência de estar comentando em seu blog como muitos fazem, ou seja, apenas para "trocar" audiência.

A questão é que tomei a liberdade de escrever um texto referente a este mesmo episódio e tenho buscado convidar cristãos para observar a linha de raciocínio seguida e, talvez, até auxiliar em uma outra "frente de resistência" que iniciei.

Por favor, conheça:
http://blog.teophilo.info/2010/11/mackenzie-retorno-cova-dos-leoes.html

O Senhor seja contigo!

Allen Porto disse...

Que coisa, né Matheus?

Allen Porto disse...

Guilherme, obrigado por me ensinar, com os seus comentários, um modo pacífico e honesto de escrever.
Tenho muito o que aprender...

Abraço

livrexpress disse...

Muito bom comentário.

Pra falar a verdade, achei o texto da Barbara Gancia sofrível, com comparações idiotas e falácias espertinhas objetivando sensibilizar incautos. Além de atacar os cristãos, como não poderia deixar de ser...

Quanto ao fato de o Marcelo Tas publicá-lo, com introdução elogiosa e sentimentalóide, só confirma que o rapaz é mais um a serviço da lavagem cerebral politicamente correta, prática tão freqüente nos meios de comunicação.

Aliás, permita-me uma observação, Allen. No começo de seu texto, quando você diz "...mostra como o politicamente INcorreto atinge até quem tenta fugir dele", creio que você estava querendo dizer "politicamente correto", não? Pois este é o caso do Tas, que vira e mexe dá uma de polêmico e "politicamente incorreto", mas, na hora de tratar dessa mentira "sagrada" que é o tal combate à "homofobia", mostra-se totalmente submisso à ideologia politicamente correta, loba em pelo de cordeiro...

Bem, desculpe o palpite, obrigado, e abraços.

José María Souza Costa disse...

O bom na vida, é quando a inteligencia permite o contraditório. Adorei ler o seu blog. Interessante e inteligente. Mas, estou aqui para lhe convidar a visitar o meu blog, e se possivel seguirmos juntos por eles. Estarei lá esperante por vc. Abraços de verdade

Nilson Junior disse...

Parabéns Allen!
Penso que essas é uma das muitas questões que mostrarão quão distantes estão a agenda esquerdista e a cosmovisão cristã.
Um grande abraço!